Palavras de amor, palavras de afeto, palavras de alegria, palavras de amizade, palavras de carinho. São tantas palavras... Palavras, palavras...


domingo, 26 de junho de 2011

Eu fiz um aborto!

Um dia acordei com dores no corpo. Mais especificamente na parte superior, próximo ao pescoço. Umas dores esquisitas que eu imaginava ser toda ossada do tronco, na parte superior, na frente. Não sei se dá para entender. Foi a primeira vez que alguém me disse que osso não dói. Acima do busto, abaixo do pescoço, é só osso! Mas a Dra. Me garante que osso não dói e solicita uns exames, de sangue, fezes e urina. Vou para casa e no dia seguinte volto portando os resíduos necessários. São feitos os exames. De posse dos tais exames, retorno ao consultório para saber os resultados. Tamanha foi a minha surpresa. A senhora está grávida, disse-me a Dra.
Fiquei surpresa pela forma como a terceira gravidez se apresentou. Já sabia que nenhuma gravidez é igual, mas esta foi totalmente diferente. Não havia um sintoma habitual de gravidez. Se fiquei surpresa pela gravidez, mais espanto foi quando a Dra. Falou: “Se a Sra. quiser fazer um aborto, até o terceiro mês não há risco nenhum”. Porém, não sei avaliar o tamanho da minha atitude naquela hora. Apenas respirei fundo, olhei bem na cara dela e falei:
“Doutora, posso fazer qualquer coisa para evitar uma gravidez, mas ao saber-me grávida, faço tudo para não abortar”.
E aí fiz, talvez, o maior aborto da minha vida, abortei aquele pré-natal ali mesmo e fui procurar outra instituição, outros médicos.
O aborto que eu não fiz, chama-se Ilana!
Essa doce e meiga criatura que a Mãe Natureza me enviou de presente é muito querida e amada por todos que a cercam. Como saberíamos sê-la interrompendo a sua vida?
Não estaria narrando este episódio. A estória seria outra.

Artemísia

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Que doutora MALUCA, COMO ASSIM FAZER UM
    ABORTO?! COMO ASSIM TIRAR A NOSSA ILANA?
    Ainda bem que minha dinda não é doida
    que nem essa doutora,sem um pingo de ética.
    Porque a conduta de um médico é sempre preservar
    uma vida e não incentivar uma pessoa a cometer
    um crime desses.Aborto além de ser crime é coisa de gente covarde,pois tira a vida de um indivíduo que ainda nem pode se defender.Se fosse comigo eu tinha xingado essa doutorazinha, Mas Graças a Deus a senhora não foi pela cabeça dessa criminosa.Ilana é sem dúvidas um grande presente de Deus! Chegou de fininho pra ninguém suspeitar, dando uma dorzinha aqui, outra ali. Muito espertinha ela né kkkkkkkk. E ah... É RUIM QUE NINGUÉM SENTI DOR NOS OSSOS rs!! ESSA MÉDICA É MUITO ESTRANHA.Quando eu estava em fase de crescimento(Quer dizer, ainda estou) sentia dores horríveis nos ossos, então fui ao médico ele disse que era absolutamente normal esse tipo de dor nos "ossos" nessa idade kkkkkkkk.Ela tem que voltar para faculdade e estudar mais um pouquinho. Ilana Te adorooo!!!Muitoss beijos para Ilana!♥

    ResponderExcluir
  3. Oi, lindona, você veio aqui e não me encontrou.
    Eu estava em Campo Grande fazendo uns exames.
    Exames de rotima.
    Se eu soubesse que você viria tinha combinado o encontro lá!
    Passei a tarde sozinha.
    Um beijão.

    ResponderExcluir
  4. eita hoje nós não teriamos essa linda blogueira pra nos alegrar com sua simpatia e beleza a bela prima ilana bonito texto pra refrexão pra quem quiser fazer abortos beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Israel, quando você não bloga nos deixa na saudade!

    ResponderExcluir
  6. Pois é gente, imagine se minha linda e maravilhosa mãe tivesse feito o que essa "songamonga" (rsrs)sugeriu. Hoje eu não estaria aqui e como disse minha mãe "a estória seria outra".
    Obrigada mãe, pela coragem de ter ido em frente com uma nova gravidez e por ter dito NÃO!!! à injustiça.
    Obrigada, Tainá e Israel, pelo carinho.
    Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  7. Ilana, você sabe que é verdade: a estória que contei e..."como é grande o meu amor por você!"
    Beijos, lindona!!!!!!!

    ResponderExcluir